IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS

Gênesis, 1: 26, 27, 28. “E disse Deus: Façamos (nós) o homem não um, mas o conforme a nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra”.

“E criou Deus o homem á sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou”.

 

“E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra”.

 

A criação do homem teve a consideração cuidadosa de Deus, por razões que vamos analisar posteriormente.

 

Deus levou em conta um futuro bem distante daquele momento de criação do homem.

 

Essa consideração futurista de Deus já nos mostra Sua sabedoria e conhecimento antecipado de todas as coisas. A Onisciência Divina.

 

Segundo o que entendemos da Bíblia, Deus tomou uma porção de barro e a esta deu uma forma (imagem), depois soprou em suas narinas o fôlego da vida (o pneuma) e desse modo Deus injetou no homem a Sua semelhança. A VIDA.

 

A partir do momento em que o homem passou a viver, era agora a imagem (futura) e semelhança de Deus (período da inocência, a primeira dispensação).

 

Quanto tempo viveu Adão neste período não temos uma exatidão, mas por ser uma dispensação, esta deve ter girado em torno de 800 a 1000 anos mais ou menos.

 

É preciso levar em conta que a idade de Adão só passou a ser contada após a sua queda, ai, então teve inicio a contagem, aliás, regressiva, pois ele entrou no processo de degenerescência, ou de morte. Consideremos que a partir daí, ele foi morrendo gradativamente, cujo processo de morte, podemos chamar de lenta, durou 930 anos. Ao contrário do que se imagina, ele, como nós não estava vivendo, mas morrendo cada dia.

 

Como se fosse uma caminhada e de algum modo é, vamos andando e achando que estamos vivendo e quando chegamos à meta final ai morremos. É o já conhecido “Loborum Meta”.

A conclusão a que se chega é a de que uma pessoa só vive nove meses, pois ao nascer se instaura nela o processo da morte que pode durar mais ou menos, pois varia de pessoa para pessoa.

 

Vamos considerar que no período da inocência Adão não teve filhos, o que só veio a ocorrer após a sua queda; doutra sorte se isso tivesse acontecido teríamos tido outra raça (inocentes) com as quais Deus teria que tratar de modo diferente, alem do mais tal raça nem poderia viver na terra, pois esta depois do pecado ficou contaminada o que lhes acarretaria uma contaminação, perdendo destarte a inocência pela presença do mau. Ter-se-ia manchado a imagem e semelhança de Deus, neles também, o que só ocorreu após o pecado de Adão e Eva.

 

No capítulo 5 no verso três é nos dito que Adão gerou um filho conforme a sua semelhança e imagem.

 

Isto é muito importante. Deus criou o homem conforme a Sua imagem e semelhança, Adão criou (gerou) um filho conforme a sua semelhança, primeiro a semelhança depois à imagem, porque a semelhança de Deus estava manchada nele. Aqui temos a transmissão do pecado, do mal inoculado no seu descendente.

 

Entretanto gerou um filho conforme a sua imagem.

 

E que imagem era a sua? Não era a imagem com a qual fora criado?

 

Quer nos parecer que se tem pensado que a imagem e semelhança com a qual o homem fora criado, perdeu-se ou acabou-se com o pecado.

 

Não, a imagem e semelhança continuaram e continua até hoje em cada ser que nasce, (que é gerado), só que o que aconteceu com Adão continua a acontecer, com todos, a transmissão do pecado no processo de geração, ou seja, já nascemos marcados pelo pecado.

 

Vejamos o que diz a Bíblia: Gênesis, 3: 22 “Então disse Deus: “Eis que o homem É como um do nós…”É como um de nós. É, não mudou. Isto foi dito depois da queda de Adão.

 

A forma desta imagem não poderia ser alterada. É provável que você esteja pensando: e a questão das ranças. Como fica? De fato isto deve ser considerado, sem que, contudo altere o que estamos dizendo sobre a imagem. As raças surgiram isto é, as mutações, (não uma nova, ou outra raça), em conseqüência do pecado, pois este transtornou todas as coisas. Veja Romanos, 8. Além do mais, todas as mudanças que aconteceram com a imagem, são de caráter exterior, ou seja, questão de pele—a cor. Mas, a estrutura intrínseca, inerente continua a mesma. Não importa se é mais baixo, ou mais alto, mais magro ou mais gordo, isso não tem nada a ver com imagem em si. É uma questão de vista.

Vejamos uma coisa interessante, o homem na sua estrutura, em qualquer lugar do mundo é igual, seja como gerador de outro, e, mormente nisto, não há mudança, e ele é gerador de imagem igual a sua, bem como semelhança, isto é a semelhança manchada pelo pecado, pois já nasce o ser humano estigmatizado pelo pecado, infelizmente.

 

Se não fosse assim teríamos que admitir que houvera outra raça além da que conhecemos e dela fazemos parte.

 

Como dissemos no começo a razão de Deus ter feito uma imagem tal qual somos, é questão fundamental no nosso assunto.

 

Começaremos o nosso estudo lembrando-nos de que Deus é Espírito e, por conseguinte não tem uma forma. Em sendo assim quando alguém nos olha, não vê a semelhança, a nossa semelhança. A primeira coisa que é vista é nossa imagem depois quando nos manifestamos é que as pessoas vão saber o que está dentro de nós, à semelhança. Repito, infelizmente, digo, que era a de Deus, ou que deveria ser a de Deus, isto é, pura santa, imaculada. Agora está maculada. Veja o que disse o Senhor depois da queda de Adão: “Eis que o homem é como um de nós, sabendo bem e o mal”, atributos que pertenciam só a Deus, pois vivendo como santos, ainda assim teríamos uma limitação, e julgo como desnecessário saber o bem e o mal, pois continuaríamos INOCENTES, e inocente é aquele que não conhece nem uma coisa nem outra (não por ignorância), mas por pura inocência ou desconhecimento. Esse era o caso de Adão antes de cair.

 

A imagem é o visível, a semelhança o invisível, a semelhança é a nível de alma a imagem é a nível de corpo, de matéria, o visível.

 

O que aconteceu foi que a imagem mutou-se e juntamente a semelhança, pois “a imaginação do homem é continuamente má”. Além do mais sabe-se que a prevalência está sempre no lado mau.

 

Antes do pecado tudo era santo e puro, depois tornou-se não santo e impuro, o que era bom tornou-se ruim, mau, o puro tornou-se impuro, o santo tornou-se profano.

 

Deixe-me lhe dar um pequeno exemplo, uma pequena ilustração: Se você tomar uma tela, digamos de um famoso, pintor com sua assinatura e tudo o mais, e lhe cobrir com tinta, removível, você verá uma coisa sem significação, sem beleza, sem atração, contudo ela ainda é uma tela famosa com valor inestimável. A tela é a imagem, o que está por detrais da tinta é a semelhança.

 

Assim ocorreu conosco o pecado cobriu a beleza (a tela) com a qual fomos (pintados por Deus) feitos. Agora digamos que seja removida a tinta com a qual a tela foi coberta o que aparecerá? Uma imagem bonita e valiosa obra, assim, também quando nascemos de novo o sangue de Jesus nos limpa, “tira a tinta do pecado”, e voltamos ser o que éramos na criação, embora com as limitações inerente do pecado, que se manifesta na corrupção do corpo que se tornou mortal.

 

Voltamos a manifestar a semelhança de Deus em nós. Veja Gálatas, 6, as obras da carne, vejam também I João 2.

 

A imagem sempre esteve à vista o que faltava era a manifestação da semelhança, cuja semelhança estava manchada (coberta com a “tinta” do pecado, mas NA e PELA purificação feita por Jesus, “pois o sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo o pecado”, a tornaria visível quando nos manifestássemos). I João, 1: 9, 10.

 

Paulo disse: “lembrai-vos do tempo passado, quando estáveis mortos (no) pelo pecado”.

 

NOSSA PLENITUDE – A VIDA ABSOLUTA DE DEUS EM NÓS.

 

Em primeiro João, capítulo três no verso dois lemos:

 

“Amados, agora somos filhos de Deus, (estado natural pós recuperação, lavagem da vida velha pelo precioso sangue de Jesus, raspagem da “tinta do pecado” que transtornara o homem pela ofensa feita Deus) e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que quando Ele se manifestar, SEREMOS SEMELHANTES A ELE; porque assim como é o veremos”.

 

Isto ocorrerá na glorificação dos nossos corpos, ai já entrando na perfeição de Deus outra vez, pois a primeira perfeição perdera-se no jardim de Edem.

 

O processo salvífico tinha por base a recuperação do homem, que agora através do sangue de Jesus, poderia voltar ao seu estado inicial, a eternidade, pois o homem fora feito para viver eternamente, e só morreu eternamente porque não estava eternizado.

 

A RESTAURAÇÃO É PELA MORTE E RESSURREIÇÃO DE JESUS

 

Ora se só fossemos restaurados na imagem e semelhança, digamos primitiva, após a morte, a nossa restauração não seria pela morte e ressurreição de Cristo, seria pela nossa morte, o que já é uma heresia e tanto!

 

Não, o ato de salvação efetuado por Jesus, nosso novo nascimento, nos garante a entrada para a graça eterna.

 

Temos que morrer (nem todos) isto é apenas o efeito natural do pecado em nós, mas para morrermos é que precisamos estar preparados, o que nos indica que fomos restaurados – na imagem e semelhança – que estava coberta de e pelo pecado, (na ilustração acima, da tela coberta de tinta).

 

Talvez você esteja perguntar e quando o homem morre fisicamente, como é que fica?

 

Com poucas palavras lhe posso responder, fazendo-lhe porém uma pergunta:

 

Jesus tinha a imagem e semelhança de Deus?

 

Claro. Ele tinha a natureza humana e a natureza divina, era cem por cento homem e cem por cento Deus.

 

Mas Ele morreu?

 

Claro. Mas, ressuscitou, e quando isso aconteceu Ele teve a sua imagem mudada, ou trouxe a mesma, com a qual morrera? De igual modo a semelhança, mesmo tendo experimentado a morte.

Quem está em Cristo se morrer, voltará pela ressurreição e trará a mesma imagem!

 

Um momento!

 

Voltará com uma imagem glorificada.

 

Não creio.

 

Um momento!

 

Jesus disse “vede as minhas mãos, que Sou Eu mesmo”. Quem o conhecera antes da morte voltaria a conhecê-Lo, pois do ponto de vista humano o que ocorreu foi um processo de glorificação, o mesmo que ocorrerá conosco, um revestimento tão glorioso que nos permitirá suportar a eternidade, sem o qual seria absolutamente impossível.

 

Ele também afirmou “assim como Ele é o veremos”.

 

A imagem, lembre-se, é o visível, pois Deus nos fez visíveis, mas a semelhança, a parte do animus, a alma, que é o raciocínio, o pensamento a vontade o discernimento; é a razão, é o invisível.

 

Eis porque um morto não fala, não pensa, não deseja, mas mesmo morto é uma imagem, até que se desfaça no ó da terra, isto é, por instantes continua com a imagem, daquilo que ele foi em vida, a semelhança de indivíduo cessou, aqui na terra,  ainda que temporariamente, pois que ela veio de Deus e para Deus voltou.

 

Ninguém pode vê-la, existiu e ainda existirá na ressurreição, na sua plenitude, como já dissemos. Quanto ao espírito, A VIDA QUE VEIO DE DEUS AO SOPRAR NAS NARINAS DO HOMEM, esse volta para Deus, como você leu acima.

 

A RAZÃO DA CRIAÇÃO DO HOMEM – 1

 

Na criação do homem Deus não levou em conta o homem em si, mas a forma e maneira como um dia Ele teria que apresentar-se ao próprio homem.

 

Chegamos à parte mais importante de nosso estudo, que certamente nos levará a descobrir coisas realmente profundas.

 

O que aconteceu na criação do homem foi que Deus tinha que criar “algo” que pudesse ser o mais próximo Dele possível, no sentido de semelhança. Lembre-se Ele era espírito, portanto não tinha forma, dai a necessidade de criar também uma imagem (uma forma), que seria usada num tempo muito distante.

 

Veja a complexidade de um ser humano. Um cérebro com milhões de células juntas harmonicamente trabalhando para o bem geral do corpo.

 

Um olho com 60.000 facetas, que vê um objeto, divide-o em 60 mil pedacinhos e logo os ajunta formando a imagem que vemos, e por ai afora.

 

Mas Ele disse: Façamos o homem a “nossa imagem e semelhança”, então entendemos que era necessário Deus criar uma forma que de algum modo o representasse.

 

Deus teria que escolher uma forma e esta escolha de criar uma forma/Imagem, não foi uma coisa alheatória, e nem poderia ser, pelas razões que veremos mais adiante.

 

Quanto à semelhança (Sua semelhança), esta não necessitava de escolha ou mesmo de criação, pois ela, a semelhança, já era inerente a Ele, pois “Deus é perfeito increado, na Sua essência, sem princípio nem fim de dias”

 

A semelhança, simplesmente passaria a existir no homem a partir do momento em que ela fosse injetada, inoculada, ou transmitida Dele para o ser que Ele acabara de criar, e foi o que aconteceu quando Deus soprou nas narinas do homem o fôlego da vida, embora recebesse consequentemente limitações, podendo ser apenas um pequeno deus.

 

Ai aconteceu à transmigração de Deus em forma de vida, de sopro, e, neste instante o homem foi feito alma vivente, não viva, mas vivente, pois a intenção de Deus era a eternidade onde o homem iria viver com Ele. Você já sabe que o homem foi feito para viver eternamente, mas o pecado apequenou o homem limitando-lhe a vida física, até que chegasse o dia da apresentação de Deus em ou na forma que Ele havia projetado, para comunicar-se com o homem terráqueo e através de Seu sacrifico poder oferecer a ele, o homem, a salvação que é a possibilidade de viver eternamente de novo.

 

Este era o pensamento inicial de Deus, uma vida eterna para o homem que Ele criara; logo o homem não poderia ter sido criado de forma experimental, como, por exemplo, “vamos ver se dará certo”.

 

Havia uma definição absoluta e da mesma forma absolutamente necessária nesta forma/imagem porquanto o interesse maior não era do homem inexistente, mas do Deus existente. A única interveniencia era de Deus quanto à forma que Ele queria dá.

 

Logo mais você compreenderá isto de forma mais clara.

 

A RAZÃO DA CRIAÇÃO DO HOMEM – 2

 

Deus na pessoa de Jesus Cristo tem uma imagem lá na glória.

 

Aqui vemos porque Deus criou o homem a Sua imagem.

 

Ele ainda não tinha imagem, uma forma, mas quando disse façamos o homem a nossa imagem, Deus estava na eternidade passada, formando uma imagem para a eternidade futura, repito, com a qual deveria um dia apresentar-se ao homem.

 

Lembre-se que mil anos para o Senhor é como um dia e um dia como mil anos.

 

Como poderia Deus apresentar-se ao homem em Espírito? Logo a imagem era uma necessidade de Deus, que em Sua Onisciência já conhecia tal fato.

 

Na Sua Onisciência Ele via todo o projeto de salvação, pois segundo Hebreus capítulo dois, Ele falou-nos nos últimos dias através de Seu Filho que é a Sua expressa imagem.

 

DEUS APRESENTANDO-SE AO HOMEM, COMO HOMEM, NA IMAGEM QUE ELE CRIARA.

 

Eis porque a criação do homem teria que merecer de Deus toda a consideração, pois Ele teria que criar a Sua própria imagem. Imagem com a qual um dia Ele teria que apresentar-se ao próprio homem (mundo). Estou repetindo isso para enfatizar o fato.

 

Esta é a razão porque Ele criou o melhor, o mais perfeito dos seres.

 

Veja aqui a maravilha que é a “máquina” humana e que perfeição na sua criação:

 

Suas funções harmônicas, suas coordenações definidas e todas em absoluta unidade e sincronia.

O nosso corpo é formado de bilhões de células. Células que fazem parte do sistema nervoso são chamadas de neurônios e são especializadas em transmitir “mensagens” através de um processo que mistura a transmissão elétrica e química. O cérebro humano tem aproximadamente 100 bilhões de neurônios.

Já se disse que um computador para fazer um terço do que faz o cérebro humano, teria que ter duzentos metros de comprimento, duzentos metros de largura, duzentos metros de altura. Imagine você a sua grandeza no sentido de criação, é claro.

Uma pessoa normal possui cerca de cinco litros de sangue, representando até 7% de seu peso. Ele é vermelho-vivo nas artérias e vermelho-escuro nas veias. São 96500 km de veias e artérias.

 

O sangue retirado do corpo coagula-se em seis minutos.

Em um minuto o sangue circula por todo o corpo. Essa viagem fica mais rápida ao praticarmos exercícios físicos. Quase um litro de sangue passa pelo cérebro nesse período.

 

Para quem vive ao nível do mar, uma gota de sangue contém cinco milhões de glóbulos vermelhos (ou hemácias). Em habitantes de regiões mais altas, esse número aumenta para sete milhões. Eles transportam o oxigênio da respiração pelo corpo. O organismo destrói perto de um trilhão de glóbulos vermelhos por dia.

 

Nessa mesma gota, temos nove mil glóbulos brancos (ou linfócitos). Eles formam o sistema imunológico, encarregado de defender o organismo contra os invasores. Existem ainda de 250 mil a 500 mil plaquetas sangüíneas. Ao ocorrer uma lesão num vaso, elas se juntam e constroem uma barreira para evitar a hemorragia.

 

Existem 10 bilhões de vasos capilares no corpo humano. É a esses vasos que os glóbulos vermelhos transferem o oxigênio que transportam para as outras células ao redor.

 

A temperatura do sangue no coração é de 38,8 graus. No fígado ela aumenta para quarenta graus.

 

A principal fábrica de sangue é a medula óssea. Produz duzentos mililitros de sangue por minuto.

O sangue do tipo O é conhecido como DOADOR UNIVERSAL. Ele pode ser injetado em qualquer pessoa. Mas quem tem esse tipo de sangue só pode receber transfusões do tipo O. Já o sangue A B é o RECEPTOR UNIVERSAL.

 

A AORTA é a maior artéria do corpo. Mede cinco centímetros de diâmetro e distribui o sangue a todas as partes do coração. Já a CARÓTIDA é uma importantíssima artéria que leva o sangue até a cabeça.

 

Uma pessoa normal tem de 120 mil a 150 mil fios de cabelo na cabeça.
O cabelo cresce cerca de vinte centímetros por ano, mais rapidamente no verão e à noite do que no inverno e durante o dia. Depois de três anos, o fio de cabelo será substituído por outro, que nasce no mesmo poro. A testosterona, um hormônio masculino, estimula a secreção da glândula sebácea à qual o fio de cabelo está ligado, diminuindo sua vida média e acentuando a queda. Por isso, a calvície atinge principalmente os homens.

 

Os cabelos são tão firmes na cabeça que suportariam um peso de oitenta quilos. Uma trança agüentaria entre duzentos e trezentos quilos.

 

(Na antiguidade, os egípcios já conviviam com o fantasma da calvície). Para evitá-la, eles aplicavam uma mistura de gordura de leão, hipopótamo, jacaré, cabrito e cobra no couro cabeludo.

 

O imperador romano Júlio César tinha outra fórmula: (Ratos queimados, dentes de cavalo, gordura de urso e vísceras de veado).

 

OUTRAS CURIOSIDADES:
1. Quando você espirra, o ar sai do seu nariz a uma média de 160 KM/h.
2. Um cílio dura de noventa a 150 dias e depois cai. Cada olho tem em torno de duzentos cílios.

 

3. As unhas crescem um centímetro a cada 28 dias. O crescimento é mais rápido na mão direita. As unhas das mãos crescem aproximadamente quatro vezes mais rápidas do que as unhas dos pés.
4. Um adulto elimina três litros de água todos os dias, por meio da urina, do suor e da respiração.

 

5. Cada soluço dura até menos do que um segundo. Os soluços ocorrem a uma frequência normal e regular de 5 a 25 vezes por minuto. Mas o livro dos recordes registra uma crise de soluço que durou 57 anos.

 

6. O intestino delgado mede de seis a nove metros de comprimento. O intestino grosso tem um metro e meio, mas é três vezes mais largo.
7. Cada sílaba que o homem pronuncia põe em movimento 72 músculos do corpo. Para sorrir, ele usa catorze músculos. Para beijar, 29.
8. A coluna vertebral tem 33 vértebras.

 

9. Os dois pulmões têm 300 milhões de alvéolos, responsáveis pelas trocas gasosas. Se pudessem ser espalhados pelo chão, eles cobririam uma quadra de tênis.

 

10. O nariz pode perceber até 6850 cheiros diferentes.

 

1. Freqüência média de respiração de uma pessoa sentada: catorze a dezoito vezes por minuto.

 

12. O horário de maior freqüência de ataques cardíacos é das seis da manhã ao meio dia.

 

13. Um ser humano inspira seis litros de ar por minuto. Isso é suficiente para encher, em média, três bexigas. (Balões)

 

14. Um alimento engolido leva de quatro a oito segundos para chegar ao estômago, onde pode permanecer até quatro horas.

 

15. A água constitui 70% do corpo humano. Ela é responsável pela metade do peso do corpo. Dentro dele, a água transporta alimentos, resíduos e sais minerais, lubrifica tecidos e articulações, conduz glicose e oxigênio para o interior das células, e regula a temperatura.

 

16. As impressões digitais formam-se de seis a oito semanas antes do nascimento. Elas nunca são iguais.

 

17. A temperatura do corpo não permanece ao redor de 37 graus o dia todo. Ela sobe até cerca de 37,2 graus por volta das cinco ou seis horas da tarde e cai gradativamente para 36 graus no meio da madrugada.

 

18. A capacidade média do estômago de um adulto normal é de dois litros de alimentos, mas esse órgão pode se contrair ou se dilatar, como uma sanfona, de acordo com a necessidade.

 

19. É necessária uma exposição de aproximadamente um décimo de segundo para que uma boa imagem se estabeleça na retina. Os filmes são exibidos a uma velocidade de 24 quadros por segundo, rápida demais para os seres humanos distinguirem uma imagem isolada. As imagens se misturam umas às outras, dando a ilusão de movimento na tela.
20. As quatro zonas de sensibilidade da língua são:

 

AMARGO: Fundo; AZEDO: Laterais do fundo; SALGADO: DOCE: Frente.

 

Ao formar o homem, Deus criava a imagem com a qual Ele haveria de manifestar-se ao mundo, na eternidade futura. Aleluia!

 

O homem é ímpar, nenhum outro animal se compara com ele.

 

A visão de Deus não era o homem em si, mas Dele mesmo.

 

Ele fez o homem para viver eternamente como Ele.

 

Ele fez o homem santo como Ele.

 

Ele fez o homem com o poder da razão como Ele.

 

Ele fez o homem com a capacidade da comunicação como Ele.

 

Ele fez o homem com a capacidade de “fazer” outros homens, como Ele. Claro que por um método diferente.

 

Ele fez o homem como um mini deus, pois Ele é maior que tudo. Salmos, 82: 6. João, 10: 34, 35.

 

O pecado limitou o homem, pois o dimensionou, tirou-lhe a santidade; eis porque “A ÚNICA COISA QUE NOS TORNA PARECIDOS COM DEUS É A SANTIDADE”.

 

Agora Ele via a sua “tela” coberta com a ”tinta” do pecado, mas ainda era a Sua “tela”. Glória a Deus porque ele resolveu limpar a “tela”. Lavou-a com Seu precioso sangue, porque se compadeceu da sua criatura.

 

Estas verdades sublimes nos colocam numa grande responsabilidade, pois uma vez restaurados jamais deveremos nos imiscuir com o pecado para não tornarmos a manchar a imagem de Deus que somos nós, anulando a obra de Cristo em nossas vidas.

…………………………………………………………………………………………………

 

“O homem ou se parece com Deus ou com o diabo”

“Deus é tão belo que não precisa de enfeites”

 

 

Pr. Israel Guerra

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s